RAÍZES E FRUTOS DA COMUNIDADE CRISTÃ

RAÍZES E FRUTOS DA COMUNIDADE CRISTÃ
Pe. Jose Bortolini

I. INTRODUÇÃO GERAL
A comunidade cristã se reúne para celebrar a fé e cimentar sua união com Cristo, a videira, cujos ramos são todos os que o aceitam e seguem (evangelho). A fé que celebramos tem sua expressão maior no amor entre os membros da comunidade. Seria vã a fé que não levasse ao amor (II leitura). Ela se traduz também no testemunho cristão, levando as pessoas a eliminar desconfiança, frieza e indiferença nas relações interpessoais. Celebrar a fé é solidariedade e compromisso com os perseguidos por causa do testemunho (I leitura).

II. COMENTÁRIO DOS TEXTOSBLICOS

1. I leitura (At 9,26-31): O que é ser discípulo de Jesus?
A maior parte do cap. 9 de Atos reproduz acontecimentos referentes à vida de Saulo (Paulo): sua conversão (vv. 1-19a), estada em Damasco, anúncio e fuga (vv. 19b-25) e visita a Jerusalém (vv. 26-30). O texto escolhido para a liturgia deste domingo relata o episódio de Paulo em Jerusalém. Ele já era bem conhecido nessa cidade, pois foi aí que se formou rabino, nutrindo ódio contra os discípulos do Senhor a ponto de se tornar cúmplice do assassínio de Estêvão (cf. At 7,58).
Compreende-se, dessa maneira, por que os cristãos de Jerusalém mantivessem tanta distância e desconfiança em relação a ele, tratando-o com frieza (v. 26). A intervenção de Barnabé em favor do convertido é decisiva: ele o apresenta aos apóstolos. O testemunho de Barnabé em favor de Saulo mostra quais são as características de um discípulo de Jesus (v. 27): a. ter-se encontrado com o Senhor, mudando completamente o rumo da própria vida (tinha visto o Senhor no caminho); b. ter entrado em comunhão com Jesus, escutando-o (o Senhor lhe havia falado); c. ter-se comprometido decisivamente com Jesus (Saulo, na cidade de Damasco, havia pregado publicamente o nome de Jesus). Lucas salienta esse último aspecto, classificando a pregação do convertido de ousada (em grego, parresia. O mesmo termo é empregado a seguir, quando afirma que ele discutia com os judeus de língua grega, v. 29). Sua pregação é ousada porque provoca conflito, envolvendo em primeira pessoa o pregador. Essas três características são suficientes para que ele seja considerado discípulo do Senhor, tendo plena liberdade e comunhão entre os irmãos (v. 28).
Como acontecera em Damasco, onde a pregação acarretara ameaças de morte (vv. 23-24), também em Jerusalém o anúncio de Jesus provocou conflitos, fazendo com que os judeus de língua grega procurassem matá-lo (v. 29). Como reage a comunidade cristã quando um de seus membros é “marcado para morrer”? A atitude básica sugerida pelo texto é a da solidariedade que visa a conservar a vida do evangelizador. Foi assim em Damasco (v. 25), e em Jerusalém (v. 30): os irmãos mandam Saulo para Tarso, sua terra natal.
O v. 31 que fala da paz vivida pelas comunidades na Judéia, Galiléia e Samaria, consolidando-se e crescendo no temor do Senhor e crescendo em número é uma espécie de “retrato da comunidade”. Essa paz não é devida à ausência momentânea de Paulo no cenário da evangelização. Pensar assim seria desvirtuar os Atos dos Apóstolos e o próprio Evangelho de Lucas. Ela também não é devida à pretensa paz do império romano. É, isso sim, a paz que vem do temor do Senhor: é a partir dele, com o auxílio do Espírito Santo, que a comunidade cristã se fortalece e cresce em número, pois o projeto de Deus encontra terreno propício para crescer.

2. Evangelho (Jo 15,1-8): Raízes e frutos da comunidade cristã
O trecho do Evangelho de João proposto para este domingo faz parte dos acontecimentos que marcam a despedida de Jesus durante a Ceia (13,1-17,26). É sob a ótica do testamento que se poderá melhor entender o presente texto. O testamento de Jesus a seus discípulos abraça temas diversos. No caso de Jo 15,1-8, Jesus fala do segredo ou condições para a expansão da comunidade cristã.
Os capítulos 15-17 provavelmente não pertenciam ao corpo primitivo desse evangelho. Foram acrescentados mais tarde, tentando responder a algumas questões da comunidade do Discípulo Amado. Quais seriam? Certamente o tema da “comunidade de iguais”, sem hierarquias (ramos), o tema da missão (produzir frutos) e a presença do Espírito nos conflitos enfrentados pelas comunidades joaninas. O tema “comunidade de irmãos” predomina no texto de hoje.

a. As raízes da comunidade cristã (vv. 1-2)

Recuperando a velha imagem do Antigo Testamento, Jesus se declara a videira verdadeira, cujo agricultor é o Pai (v. 1). No passado, Israel fora comparado à vinha (cf. Jr 2,21; Is 5,1) que não correspondera às expectativas de Javé, que a plantara na esperança de vê-la produzir frutos de direito e justiça. Contudo, os frutos dessa vinha foram a transgressão do direito e a violência (cf. Is 5,7).
Jesus se denomina “a verdadeira videira”, ou seja, só ele é capaz de produzir os frutos que Deus espera, ou se quisermos, só nele é que poderemos realizar o que o Pai anseia. Dessa forma ele se apresenta como a única alternativa para a realização do direito e da justiça. Nesse sentido ele é verdadeiro, isto é, autêntico e fiel: a verdadeira videira.
O Pai, por sua vez, é o agricultor, ou seja, o que põe em ação seu projeto de instaurar na terra o direito e a justiça, a liberdade e a vida para todos. Portanto, as raízes da comunidade cristã, chamada a dar frutos em Cristo, são Jesus e o Pai. Este, como bom agricultor, cuida da videira, com o intuito de fazê-la frutificar. O cuidado do Pai transparece no texto sob a imagem da poda. No início da primavera o viticultor seleciona os melhores ramos, podando-os e eliminando os que não serão produtivos. É a poda seca, quando os ramos ainda não brotaram. Algum tempo depois, quando os novos ramos já se desenvolveram razoavelmente, a ponto de mostrar os cachos ainda pequenos, procede à poda verde, eliminando os brotos que não apresentam frutos. É importante lembrar que sem a poda a videira, dentro de alguns anos, torna-se estéril e acaba morrendo. Podar, portanto, não é fazer a videira sofrer, e sim dar-lhe condições para produzir em abundância. Freqüentemente pensa-se na poda enquanto sofrimento. Jamais passa pela cabeça do agricultor fazer sofrer a videira. A poda é reforço indispensável: sem ela a videira morrerá. Em termos teológicos, a poda não se traduz em provação, e sim em graça.
Nos vv. 1-2 temos, portanto, um Deus extremamente zeloso que cuida da comunidade cristã, enraizada em Cristo, para que produza frutos. Importante notar, ainda, que sem a comunidade (ramos) o projeto do Pai arrisca ficar estéril. Jesus é a videira, mas os frutos de justiça e direito nascem dos ramos, da comunidade que a ele aderiu.

b. Credenciais para ser comunidade cristã (vv. 3-7)

Contrariando a mentalidade do tempo, segundo a qual as pessoas se tornavam puras à custa de ritos de purificação, Jesus garante que a verdadeira pureza da comunidade consiste em acolher a Palavra que ele comunica. É ela quem purifica, liberta e capacita para a missão. Esta é a primeira credencial da comunidade: ter ouvido a Palavra de Jesus: “Vocês já estão limpos por causa da Palavra que eu lhes falei” (v. 3). É a Palavra que põe em contato com Jesus, estabelecendo comunhão e unidade, como a da videira com os ramos.
A segunda credencial é apresentada pelo verbo permanecer, que aparece 7 vezes nos vv. 4-7 (cf. também 1,39). O cimento do permanecer se chama amor. O amor a Jesus, traduzido em união, comunhão e sintonia com seu projeto, caracteriza as pessoas como cristãs: formam uma só coisa com Cristo. O texto não fala de amor, mas sim de permanecer, pois estamos dentro da metáfora videira-ramos. Estes estão unidos à videira e de sua seiva se alimentam. Assim acontece com a comunidade cristã: une-se ao seu fundador e raiz pelo amor. De fato, o que mais desejamos quando amamos alguém? Creio que, basicamente, procuramos duas coisas: 1. Estar sempre com a pessoa amada, sem separações; 2. que essa união não morra, mas dure para sempre, num crescimento constante, procurando o bem do outro.
Nos vv. 5-6 fala-se do risco de esterilidade de toda a comunidade ou de alguns membros. Não basta estar simplesmente unido a Jesus para sempre, sem que isso acarrete a práxis cristã. Mais ainda: quem não produz frutos de justiça e direito não poderá afirmar que está unido a Jesus, como o ramo à videira. Pelo contrário, quem permanece nele produz muito fruto (v. 5); quem não permanece nele (ou seja, é estéril), é jogado fora, seca e será queimado (v. 6). Em outras palavras, quem não luta pelo direito e justiça incorre no julgamento, como aconteceu com a videira de Is 5. Portanto, o critério para sabermos se a comunidade permanece ou não em Cristo são os frutos de justiça e direito que ela produz, os frutos do amor. São eles a identificá-la como comunidade cristã.
Jesus afirma que “se permanecerem em mim, e minhas palavras permanecerem em vocês, peçam o que quiserem, e isto lhes será concedido” (v. 7). Isso nos leva ao cerne do que é rezar: estar em perfeita sintonia com Jesus e seu projeto, fazendo-lhe a vontade, sentindo-o como energia motora na execução do projeto de Deus. Nesse clima, nenhum pedido ficará sem resposta, nenhum esforço será inútil.

c. A glória do Pai (v. 8)

A alegria do agricultor é ver a videira carregada de excelentes frutos. A glória do Pai é uma comunidade comprometida com seu projeto, fortemente unida a Jesus, a videira, raiz da nova sociedade, cujos frutos são a justiça, direito, solidariedade, fraternidade e amor. Isso é parte (ou, talvez, a síntese) do testamento de Jesus à comunidade; essas são as condições para que a comunidade cresça e desenvolva sua missão.

3. II leitura (1Jo 3,18-24): Amar é algo de concreto e sério!

João insiste que o autêntico amor se traduz em obras e na verdade (v. 18. Para uma visão rápida do contexto desta carta, cf. comentário à II leitura do 2º Domingo da Páscoa). Em outras palavras, o amor entre os membros da comunidade, para ser verdadeiro, precisa reproduzir o de Jesus, fiel ao Pai e misericordioso em relação às pessoas, levado às extremas conseqüências. Essa é a prova cabal de pertencermos à verdade de Deus (v. 19).
O amor entre pessoas tende freqüentemente a se desviar de sua real dimensão, mas o importante é conservar aquela sintonia que nos permita ter confiança em Deus, a ponto de sermos por ele ajudados na tarefa de amar.
Quando podemos ter certeza de sermos atendidos ao pedir qualquer coisa? O autor da carta apresenta a condição fundamental: quando guardamos os mandamentos de Deus (v. 22), sintetizados aqui num só: a fé em Jesus, traduzida em relações comunitárias fraternas. Isso demonstra que se não existe amor, também não há fé no nome de Jesus. O amor é, portanto, a expressão visível da fé em Deus. Sem ele não há cristianismo, nem religião, nem fé (vv. 23-24). Quem garante isso é o Espírito de Jesus, que impulsiona a comunidade a viver o mesmo amor de Jesus, que amou até o fim (v. 24).

III. PISTAS PARA REFLEXÃO
. A I leitura ajuda a comunidade a superar a desconfiança e frieza entre seus membros. O que nos caracteriza hoje, como discípulos do Senhor? O que fazemos por aqueles cristãos que são perseguidos e “marcados para morrer”?
. Refletir com a comunidade sobre os frutos que ela produz: provam ou negam que estamos unidos a Jesus? É possível ser cristão sem lutar pelo direito e pela justiça? (evangelho).
. Os cristãos se reúnem para celebrar a fé. Qual é a expressão dessa fé? “Sem amor não há cristianismo, nem religião, nem fé” (II leitura).

Deja una respuesta

Tu dirección de correo electrónico no será publicada. Los campos obligatorios están marcados con *

Puedes usar estas etiquetas y atributos HTML:

<a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>